sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014



Ah!, se pudesse bater à tua porta, nessas horas de desejosa vontade. 
O que um querer nos faz? 
O que o gosto de um beijo não ainda provado, corrói os nervos e espezinha a alma! 
Ao menos, a poesia sai de meus lábios como se fosse chegar até a ti, 
Como meus braços e mãos em teu corpo 
Como o calor da minha pele à sua 
Como se fosse a tua imagem esculpida em minhas próprias formas - desenhada por mim, imaginando você.

Caroline Pessoa


Crudelíssima a distância! 
Deixa-me em tua ânsia...
Devora-me devagar... 
Cega-me as esperanças...
Deixa-me naufragar...

Caroline Pessoa