sexta-feira, 4 de novembro de 2011

All my soul

Ah, mas a minha loucura não poderia ter outro nome a não ser o seu. Eu não poderia ter mais silêncio do que esse que invade a minha alma. Neste momento de beleza interior, me permito uma viagem, onde o rosto que me agrada os olhos, me sorri quando eu chego à casa de meu coração. Há uma música tão calma e suave de fundo, que quando me dou conta é a tua voz chamando o meu nome. Há espaços vazios preenchidos. Há você ali e acolá. Há um semblante tão iluminado quanto o anjo mais sagrado de Deus por aqui. Olhos azuis de paz. E uma ambiência tão calma que me faz querer dormir... E chama-me... Chama-me... Chama-me...
Em um instante que parece um piscar, tens-me como a força que reside nesta casa. Tua luz ilumina o sol. E minhas manhãs. Meu jardim. Quando caminhas por mim, cura meus medos e exorciza meus demônios. Quando eu preciso, sei que vens...
Quem és? Por que és? E tens-me. Com tanta força que mal posso perceber, a não ser quando envolve-me na delicadeza prazerosa de teus braços. Admito. Eu estou absolutamente apaixonada e, por isso, tremo. Tremo, por que só posso estar sufocada de tanto amor.
Arranca esses suspiros e enxerga em meu olhar a minha verdade, por que não sei mais sobre mim... Perdi-me. Aborreci-me. Esqueci-me. E encontrei você. Caminhe comigo por este lugar só nosso dentro de mim... Dá-me a mão. Não larga... Não larga. Agarre-se em mim, por que não tenho mais nada em que acreditar a não ser na tua presença. Não me deixe perder. Não me deixe... Não. Toque em minhas lágrimas e não as leve aos lábios, mas beije-me. Deixe que seja esse encontro poderoso de nossos corpos enlaçados nesse abraço, a resposta para todos os nossos problemas; nossas dores; nossas angústias.
Onde menos te procuro é onde mais te acho. Chegas de repente. E vai embora quando menos quero. É a doçura da tua surpresa que não enfadam os meus dias, que me preenchem as alegrias... Teu cuidado. E o sorriso largo. Tenho certeza de que Deus o fez para mim – toda essa santidade humana só pode ser uma benção. Ajo egoistamente para que eu possa segurar-te, mesmo sabendo que teu amor é meu. E mesmo que eu não saiba tão bem de mim, você traça um mapa dentro de si para me conhecer ainda mais todas as vezes que eu saio do meu eu. E meu eu é o seu eu. Por que eu também sou você. E mesmo que o espelho se quebre, aquilo que nos dedicamos em sintonia colará todas as vezes.
Eu posso caminhar anos e anos nessa casa e jamais encontrar o fim. E se você estiver ao meu lado, prometo que jamais construiremos um final. Apenas colocaremos um breve ponto para um novo começo, assim como o dia de hoje termina para amanhã começar. Somos metade de uma resposta e nossa união, toda ela. És minha verdade mais íntima, mais profunda e mais absoluta – tanto quanto o amor que pulsa desvairado a cada instante que olhas para mim arrancando arrepios gélidos. Mas não posso dar mais continuidade do que isso... Contudo, fica com isto: eu te amo.