sexta-feira, 13 de agosto de 2010

As viagens


Tem daqueles dias que você acorda e acha que não vai andar na mesma linha. Pode até ser; de repente nada é tão encantador, nem te faz ficar feliz, o sorriso não sai. Até que depois de tanto caminhar, sem saber bem que rumo seguir Deus acha de te mandar outro recado, outra inspiração, outro caminho.
Sem querer você aceita pelos olhos, pelo sorriso e por aquela aura com quê de arcanjo, ora tão encantadoramente magnético que te atrai numa medida incalculável, sem saídas e escolhas. Talvez você nem queira outra escolha e uma saída diferente. Mas tudo chega para você, como se só estivesse esperando para saltar e te abraçar com muita força, com aquela vontade, aquele desejo incontrolável de “Finalmente você chegou!”.
Tem uma frase de que nunca me esqueço “Tudo acontece no seu devido tempo”, essa é uma das verdades mais poderosas que já vi, assim como você. Assim como tudo o que tens para me mostrar, uma beleza de dentro para fora e que olha com esses olhos de imensidão, direcionando esse rosto de sorriso para mim, tão convidativo... Esses beijos doces... Esses abraços... Esses toques... Essas mãos... Esse perfume. Todas as suas características degustadas bem devagar para que o gosto do Diamante Negro não fuja assim dos teus lábios, com aquele tom suave do Trident preferido, o azulzinho claro... Depois você mistura com esse sotaque gostoso, voz deliciosa que me faz sonhar e viajar até os campos verdes desse lugar bonito, onde habitas.
É... Já li algo a respeito. Disse-me um grande literato, que essa voz gostosa deveria ser proibida de tão feiticeira que é, porém, discordo. O que é belo deve ser mostrado. Mas nem todos sabem apreciar. Sou eu a melhor candidata? Não, de jeito nenhum... Sou simples demais, mas dentro dessa simplicidade aprendi a dar valor muito mais do que só olhar pelo “tanto de bonito que é gente”. É mesmo toda a sinceridade que posso passar daqui, sem que jamais nenhuma palavra tenha sido dita com vãs intenções. Nada é vão. Nenhuma flor é. Nenhum perfume é. A não ser que se seja cruel demais para esmagar e maltratar tal obra tão delicada. Sou uma aprendiz de jardineiro, minhas mãos já sabem cultivar a terra.
Ensinaram-me a dar valor, até por que flores são flores. E não só pela flor, mas pela essência dela, essa parte mais linda da alma humana por que é muito mais que carne e ossos, são sonhos, amor, vontade, uma vida. “Queria descobrir em vinte e quatro horas tudo o que você adora, tudo o que te faz sorrir, e num fim de semana tudo o que você mais ama. E, no prazo de um mês, tudo o que você já fez. É tanta coisa que eu não sei, não sei se eu saberia chegar ao final do dia sem você.”
Essas borboletas, esses friozinhos na espinha, essa ligação... São sensações tão intensas, naquele tom provocante e sensual – inocente até. Mentalizar seu rosto e um delicado sorriso que surge de ponta a ponta. Você me descobre, entre risadas e outras frases, algumas músicas e certos desejos quase incontroláveis (quase por que não estamos frente a frente). Eu te descubro falando de minhas manias e decepções, depois você me diz que sou sua gêmea e fico feliz pelo encaixe meio óbvio demais.
Já te prometi uma viajem de moto, demorada... Já te prometi beijos gelados de hortelã suave, abraços de longa duração, uma excursão em você e entender ainda mais cada ponto seu de forma suave, tão delicada... Essa sua presença me causa espetáculos infatigáveis, súbitos sorrisos, intensas necessidades de teu colo – seu colo é um sonho constante.
Eu estou bem perto e a cada dia, sempre fico mais perto e posso até ouvir umas batidas pesadas e nervosas: seu coração. Talvez ouça o meu e, se fechar os olhos, te dou um beijo nos teus lábios para dormir. Portanto, não se esqueça de mim, pois jamais esquecerei você...

Nenhum comentário:

Postar um comentário